XIII CINEMA COMENTADO IESI / FENORD

FILME: A ONDA

Regado a pipoca e guaraná, o XIII cinema comentado traz o filme “A Onda” para o centro de discussão. O filme tem como fato central a presença de um professor que fica responsável por lecionar aulas sobre autocracia para uma turma de ensino médio. Para conseguir a atenção e o interesse dos alunos, o professor propõe um experimento que explique na prática os mecanismos do fascismo e da ditadura. Porém, esse experimento vai além dos limites e acaba desencadeando consequências inesperadas.
A abordagem da análise teve por objetivo discutir, sob um viés filosófico, as diversas ideologias e formas de governo, como fascismo, anarquismo, a autocracia e o nazismo e como essas ideologias puderam influenciar os jovens ao longo do filme e as consequências de tais influências.
Para o acadêmico do 7º período, Arthur Coutinho, O filme “A Onda” apresenta razões que podem levar à alienação política e ao cultivo de lideranças autoritárias, como o vazio de identidade com o qual a juventude sofre, o consumismo desenfreado presente na sociedade capitalista, a ausência de projetos coletivos e o desinteresse das pessoas pela área da política. Segundo o acadêmico, pela exposição e análise do filme, pôde-se perceber como essa história transmite a ideia de que a anomia social (ausência de valores) não existe apenas em um contexto de guerra, mas também atualmente, em que as regras de convivência e ética estão bastante relativizadas. Para ele isso se tornou muito perceptível no filme através do comportamento dos jovens alunos do professor Rainer, que demonstram carência de autoridade, confundindo esse sentimento com a valorização do autoritarismo. Também há a questão da “psicologia das massas”, em que para se sentirem pertencentes a um grupo, as pessoas podem ser facilmente influenciadas, chegando a ficar alienadas.
O professor coordenador do projeto, Dr. Rosângelo Rodrigues de Miranda apontou vários aspectos que foram fundamentais para reflexão empreendida pelos acadêmicos, evidenciando por meio da análise que com a falta de orientação na vida dos jovens, a responsabilidade recai sobre seus mestres, ficando a necessidade da abordagem da busca por valores legítimos, tanto pelos jovens quanto por seus orientadores, para a escola e a família, já que essas são fundamentais para o crescimento de jovens que serão adultos devidamente instruídos para evitar problemas sociais do nível apresentado na obra.


Fundação Educacional Nordeste Mineiro
Home | Facebook